Entrada > Notícias > P. PORTO promove sessões de informação e rastreio VIH

P. PORTO promove sessões de informação e rastreio VIH

Atividades de Intervenção

O Politécnico do Porto integra o consórcio Porto, Cidade sem Sida, uma iniciativa que visa reduzir o estigma de infeção pelo VIH e atingir a discriminação zero, através do cumprimento das metas definidas pela ONU.


O Politécnico do Porto é uma das 22 instituições signatárias do protocolo de criação do consórcio para implementar a estratégia uma Cidade Sem Sida até 2020.

O acordo celebrado insere-se no âmbito da iniciativa Fast-Track Cities – Cidades na via rápida para acabar com a epidemia VIH, que visa acelerar a resposta ao VIH nas grandes cidades e atingir, até 2020, as metas 90-90-90, propostas na Declaração de Paris: 90% das pessoas que vivem com VIH diagnosticadas; 90% das pessoas diagnosticadas em tratamento; 90% das pessoas em tratamento com carga viral indetetável.

O protocolo assinado define os termos e as condições de colaboração entre instituições que desenvolvem trabalho na área do VIH/SIDA, decorrente da adesão do município do Porto à Declaração de Paris, em maio de 2017. A cerimónia de celebração do protocolo decorreu em maio passado nos Paços do Concelho, tendo o Politécnico do Porto sido representado nesse ato por João Rocha, Presidente da Instituição.

No âmbito desta estratégia, e por ocasião da Semana Europeia do Teste VIH-Hepatites, a Escola Superior de Saúde (ESS) do Politécnico do Porto acolherá sessões de informação e rastreio, a realizar por técnicos da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS) ou de ONGs com atividade associada à problemática da SIDA.

As ações de sensibilização realizam-se nos dias 27 (manhã) e 28 de novembro (tarde), no Auditório da ESS, seguindo-se rastreios para todos os interessados em realizar o teste de deteção, a decorrer na Clínica Pedagógica da ESS e numa unidade móvel de rastreio.

A infeção por VIH/SIDA constitui um importante problema de saúde pública na Europa e em Portugal. Uma das questões prementes que se verifica e importa dar especial atenção prende-se com o facto de a incidência do VIH nas grandes cidades ser muito superior quando comparada com outras áreas do país, sendo que o número de novos casos de VIH nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto representa cerca de dois terços do número de novas infeções em Portugal.

Henrique de Barros, coordenador científico e técnico do Plano de Ação da Estratégia Porto, Cidade Sem Sida, observou que, no Porto, “os valores do diagnóstico [da doença], por ano e por 100 mil habitantes, são quase o dobro da média nacional”.

Atendendo ao papel relevante na resposta à infeção pelo VIH, as cidades encontram-se em posição privilegiada para liderar as ações, acelerando a resposta ao VIH e atingir as metas 90-90-90: 90% das pessoas que vivem diagnosticadas com VIH.

 

Só há uma maneira de saber, mas muitas maneiras de combater. Previne-te.

Autor

arpl

Partilhar