Entrada > Notícias > ESS|P.PORTO associa-se à Acreditar no mês de sensibilização para o cancro infantil

ESS|P.PORTO associa-se à Acreditar no mês de sensibilização para o cancro infantil

Atividades de Intervenção

Setembro Dourado é o nome da campanha de sensibilização do cancro infantil da Acreditar.


São diagnosticados cerca de 400 casos de cancro pediátrico por ano em Portugal, com uma taxa de cura de 80%. É a principal causa de morte infantil não acidental. Por cada criança diagnosticada com cancro, há cerca de 300 pessoas afectadas com as mudanças que este diagnóstico vem trazer para a sua vida.

Nos 25 anos que a Acreditar comemora este ano, o Setembro Dourado, mês de sensibilização para o cancro infantil adquire um valor especial. O cancro infantil é uma realidade vivida por mais famílias, mas também desconhecida e geradora de medos, inseguranças e desigualdades. A Acreditar conhece todas as famílias que acompanha, em todas as fases da doença. Na Acreditar, há consciência das mudanças que  na área da oncologia pediátrica ao longo destes 25 anos, e as que continuam por fazer.

Criado pela Childhood Cancer Internacional — que representa 181 organizações de pais, crianças e jovens com cancro em 90 países e da qual a Acreditar foi fundadora em 1994 — Ligth It Up Gold (o nome da campanha internacional) quer “iluminar a ouro” a caminhada destas famílias. Na maior parte das cidades pelo mundo onde o movimento já mostrou a sua força, alguns edifícios emblemáticos são iluminados a dourado durante o mês de Setembro. A Acreditar também quer iluminar ou sinalizar com bandeiras edifícios emblemáticos nas cidades onde tem os seu núcleos. Mas quer ir mais longe, envolver a sociedade toda neste movimento ao mesmo tempo de sensibilização, de força e de esperança. Foi nesse sentido que a ESS | P.PORTO decidiu aderir a este movimento.

Reconhecer a cor dourada como símbolo do cancro infantil é o objectivo da Acreditar na campanha. Dourado a cor da força, da coragem e da resiliência, adjectivos comuns a todas as crianças, jovens e respectivas famílias que passam por esta doença.

Autor

arpl

Partilhar