Entrada > cursos > CTeSP > CTESP - QUALIDADE AMBIENTAL NAS PISCINAS

CTESP - QUALIDADE AMBIENTAL NAS PISCINAS

De acordo com a European Union of Swimming Pool and Spa Associations (EUSA), este setor é um dos poucos em franco crescimento, garantindo emprego a milhares de pessoas. Na Europa existem cerca de dois milhões e meio de piscinas privadas e centenas de milhar de piscinas públicas e centros de SPA instalados em cidades, centros de lazer e hotéis (EUSA). Em Portugal contabilizam-se cerca de 100 000 piscinas, sendo 96 500 de uso privado/familiar, 950 piscinas públicas, na maioria municipais, e 2 250 privadas e de uso público (Tavares dos Santos, 2018).  De facto, é amplamente reconhecido que utilização de piscinas para atividades desportivas e de lazer está associada a enormes benefícios para a saúde e bem estar. No entanto, estes benefícios devem ser ponderados com os possíveis impactos adversos para a saúde dos utilizadores e profissionais caso não estejam definidas estratégias de monitorização, controlo e prevenção dos perigos associados a estes ambientes. A utilização destas infra-estruturas para uso público requer por isso a garantia de condições de salubridade e segurança ao nível das condições técnicas, estruturais e de funcionamento. No entanto, as piscinas de utilização pública e semi-pública, com exceção das incluídas em recintos com diversões aquáticas, das destinadas à hidroterapia e das inseridas em empreendimentos turísticos não são objeto de regulamentação nacional, podendo condicionar diferentes condutas. Além disso, o crescimento exponencial deste setor tem desencadeado novos desafios, como o uso de novos métodos e produtos de tratamento da água e até novos conceitos (piscinas biológicas e tanques de crioterapia). Deste modo, o acompanhamento técnico e as boas práticas de manutenção das condições estruturais, higio-sanitárias, de renovação e tratamento da água, bem como da operacionalização dos programas de monitorização (a nível interno) da qualidade da água, ar e atividades de segurança e saúde ocupacional, asseguradas por um profissional qualificado e em articulação com as entidades competentes, contribuirão no seu conjunto para evitar ou reduzir os riscos para a saúde dos utilizadores e profissionais deste sector.

 

Diurno
853 Serviços de saúde pública
Número: R/Cr 45/2019 de 01-08-2019
Data:
01/01/2001
N.º Despacho/Portaria: 9798/2019
Data:
28/10/2019
1º Ano
Unidade curricular Período ECTS
ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS 1º Semestre 5.0
ATIVIDADES DE SAÚDE, LAZER E DESPORTO EM PISCINAS 1º Semestre 6.0
BIOLOGIA E QUÍMICA 1º Semestre 6.0
QUALIDADE AMBIENTAL I 1º Semestre 7.0
REFERENCIAIS NORMATIVOS E LEGISLAÇÃO 1º Semestre 6.0
INFRA-ESTRUTURAS E CONDIÇÕES HIGIO-SANITÁRIAS DE PISCINAS 2º Semestre 6.0
MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA 2º Semestre 7.0
QUALIDADE AMBIENTAL II 2º Semestre 7.0
SISTEMAS DE CIRCULAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA EM PISCINAS 2º Semestre 6.0
SOCORRISMO E EMERGÊNCIA EM PISCINAS 2º Semestre 4.0
2º Ano
Unidade curricular Período ECTS
GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA 1º Semestre 7.0
GESTÃO DA QUALIDADE DO AR 1º Semestre 5.0
GESTÃO DE CONSUMOS E MANUTENÇÃO DE PISCINAS 1º Semestre 7.0
GESTÃO DE RESÍDUOS 1º Semestre 4.0
SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL 1º Semestre 7.0
ESTÁGIO 2º Semestre 30.0
GESTÃO DE RESÍDUOS 2º Semestre 4.0
  • Empresas de conceção, reabilitação e manutenção de piscinas
  • Empresas de gestão de piscinas públicas (e.g., municipais, pertencentes a corporações, entre outras entidades)
  • Estâncias termais e SPAS
  • Piscinas de centros desportivos
  • Piscinas de clubes de saúde, lazer e bem estar
  • Piscinas de instituições de ensino
  • Piscinas de centros hospitalares/unidades de reabilitação física e terapêutica
  • Piscinas de unidades hoteleiras
  • Recintos de diversões aquáticas.

Nos termos do artigo 40º - F do Decreto-Lei nº 74/2006, republicado pelos Decretos-Lei nº 63/2016 de 13 de setembro e nº 65/2018 de 16 de agosto, e do artigo 13º do Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico do Porto, publicado pelo Despacho nº 8633/2017 de 29 de setembro de 2017, o Coordenador da Área Técnico-Científica de Saúde Ambiental (a ATC da Escola Superior de Saúde proponente deste Curso) estabelece que estão em condições de ingressar no Curso Técnico Superior Profissional de Qualidade Ambiental em Piscinas da Escola Superior de Saúde do Porto os candidatos que satisfaçam as condições a seguir estabelecidas: 1. Se encontrem em pelo menos uma das seguintes situações: 1.1. Os titulares de um curso de ensino secundário ou de habilitação legalmente equivalente, que comprovem ter tido aproveitamento em pelo menos uma das unidades curriculares de: Biologia e Geologia; Física e Química; Matemática; 1.2. Aqueles que tenham sido aprovados nas provas especialmente adequadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos, realizadas para o curso em causa, ao abrigo do disposto no Decreto-Lei nº. 64/2006, de 21 de março, na sua redação atual; 1.3. Os titulares de um diploma de especialização tecnológica, de um diploma de técnico superior profissional ou de um grau de ensino superior.